sexta-feira, 30 de março de 2012

ALTO PARNAÍBA, UMA CIDADE ABANDONADA

O título acima retrata fiel e literalmente a realidade nua crua que se vivencia na cidade sul maranhense de Alto Parnaíba, conforme as fotos da professora Carmélia Pacheco, que ilustram esta matéria.

Ruas e avenidas, na parte histórica, centro e bairros da mais meridional cidade do Maranhão, esburacadas, tomadas pelo lixo, pelo mato, pela fedentina, pelo descaso total do atual governo municipal, cujo chefe, o prefeito, já se lançou candidato à reeleição, caso o PSDB, partido ao qual se encontra filiado, voltar ao seu comando, conforme matéria publicada no blog Cerrados, de José Bonifácio Bezerra, no GP1, ainda em destaque.

Ou é falta de autocrítica, de discernimento ou é restrita visão sobre a inteligência e a independência da maioria do eleitorado alto-parnaibano, que já demonstrou sua rejeição à reeleição - em 2000, 2004 e 2008.

Não é necessário delongas. As imagens, de uma série, dizem tudo.
Ruas do bairro São José
Ruas do bairro Santo Antonio

Ruas do bairro Santa Cruz

Fotos Avenida Rio Parnaíba

terça-feira, 27 de março de 2012

20 ANOS SEM ANTONIO ROCHA JÚNIOR

A saudade é um sentimento singular com uma pluralidade que desafia os tempos e a própria razão. Ontem, 26 de março, completou duas décadas da morte súbita de meu irmão Antonio Rocha Júnior, ou apenas Júnior, como era chamado por nós - os seus parentes, amigos, conhecidos e contemporâneos. Parece que foi ontem, pois a dor inesperada ainda aperta o peito e fazem as lágrimas insistirem em brotar. Em cada jogo do Fluminense ou da seleção brasileira eu o reencontro, assim como o reencontro nas rodadas dos amigos que também eram os dele; na visão cotidiana do Parnaíba; nas músicas e ídolos que o marcaram; na velha casa onde nascemos; nas conversas amenas e nos asuntos pitorescos de uma Alto Parnaíba singular, amada, eterna, pacata, terra amiga e abençoada a quem Júnior tinha devoção ímpar.

Também o relembro em Tânia, sua querida e amada mulher que se mantém nessa condição como esposa que um dia continuará a ser no plano superior; em suas duas filhas, que deixou na orfandada, hoje adultas e casadas, ambas com curso superior e independentes como era o seu sonho - Maria Dacy e Ana Alayde. Vejo Júnior - na minha imaginação - olhando com ternura e com seu franco e amplo sorriso de esperança - diferente de nós que ainda permanecemos neste plano material e sofremos a cada instante com aquela cena, - em uma cadeira de rodas nossa velha mãe, que vive mais o passado do que o presente que também a castigou, tirando-lhe o seu Júnior e depois Humberto e Plínio, e antes o seu querido Rochinha, esposo e companheiro de mais de quarenta anos.
Maria Dacy, Ana Alayde e Tânia Rocha.

O Júnior alegre, que viveu a vida com intensidade, que vivia apenas o hoje deixando a Deus o destino do amanhã. O Júnior brincalhão, craque de bola, amante da boa música, da mesa farta e da boa bebida; admirador das mulheres bonitas - e quantas não as teve!. O Júnior bonito, galã, disputado, de um carisma contagiante, com os cabelos grandes e muitas vezes a barba espaçosa que dava-lhe e retratava-lhe ainda mais o homem corajoso, que nada temia. É esse o Júnior, quinto filho de meus pais Maria Dacy do Amaral Rocha e Antonio Rocha Filho, o Rochinha, que carregava até no nome o legado do pai, que se mantém vivo em minhas lembranças e no meu dia-a-dia, cujo desenlace foi a causa maior de meu retorno a Alto Parnaíba, já advogado, há vinte anos.
Da esq p/dir: Décio (eu), Ana Lúcia do Amaral Avelar (minha prima), Júnior, Eliana Leitão do Amaral (minha prima - já falecida), Antonio Herbert (meu irmão) e Clóris Alaíde (minha irmã) e Regina do Amaral Paiva e Silva (minha prima), sentadas, em nossa casa em São Luís.

O Júnior amante do futebol, cuja bola dominou como poucos, de uma geração de craques que marcou época em nosso futebol amador, digno de um futebol profissional, e de amigos de uma vida toda como Luís Luna Brito Alves, Moisés Brito do Amorim, Giovani do Nascimento Borges, Raimundo Nonato Rosa e Sá Filho, José Alves Filho (Caranguim), José Carlos Lopes Fonseca, Paulo Robert do Amaral Pacheco, Mataparte Cavalcante de Bragança, Oscar Galvão Costa, Grigório Lobato Bastos Filho (Gorim), Roberval do Amaral Brito (Robe), Paulo Henrique Santos Nogueira, Gilberto Lustosa de Matos, Elizomar Lopes de Souza, Delson Nogueira Lima, Carlos Jorge Corrêa dos Santos, Saulo Antonio Formiga Rocha, Antonio Augusto Aragão Júnior (Gugu), Lindolfo Brito Rocha, Benedito dos Santos (Benildo), Manoel de Pugas Souza (Louro), Kleuber Formiga Rocha, Deusélis José Batista de Oliveira, Roque Figueredo Filho, João Antonio Amaral, Aderson Amaral, Judson de Oliveira Alves e tantos outros que a memória me trai. O Júnior que, como o nome, pertenceu a gerações diversas, antes e depois de seu tempo, cuja morte repentina em uma triste madrugada de 26 de março de 1992, aos 35 anos de idade - completados dois dias antes -, que vive encantado nas recordações e nos corações de todos nós, sua mãe, filhas, irmãos, esposa, tios, primos, amigos de todas as horas.
Acima, meu pai com sua primeira neta Maria Dacy e uma outra criança de apelido Pepita (morava na casa do casal Aderson Bandeira de Souza), em nossa casa, na rua dos Manacás, no bairro do São Francisco, em São Luís. Na foto abaixo, Tânia e Maria Dacy, no primeiro aniversário desta, comemorado em nossa casa de Alto Parnaíba.

Sem a saudade a própria vida pereceria sem nascer. A morte não mata os Júniores da vida; apenas os transportam à luz mais brilhante e eterna.

segunda-feira, 26 de março de 2012

O RIO NOTURNO E ENCANTADO DE BERILO VARGAS E CARMONA ROCHA

RIO NOTURNO
Berilo Vilaça Vargas

Se eu fosse o astrônomo que não sou, saberia que nome dar à galáxia que nunca descobrirei: Carmona. Minha nebulosa, como a Via Láctea, teria até apelidos pitorescos, como Caminho de Carmona, Estrada de Carmona, Carreirão de Carmona.
Em sua versão terrestre, Carmona é um parente que mal conheci, mais um nome na constelação da grande família vitoriense do que propriamente uma pessoa, uma individualidade. Ou era assim até aquela noite, já distante, em que eu vagava pelas ruas e fui convidado para um dedo de prosa na calçada de Ritinha Rocha. Puxei uma cadeira e, no pequeno grupo que jogava conversa fora, reconheci o Carmona, sob a penumbra do chapéu que fazia parte de sua indumentária, talvez de sua identidade.

Carmona Rocha, falecido em 04/07/2004, e o neto Bruno, que veio a morrer em plena juventude, de acidente de motocicleta em Gurupi/TO, aos 22 anos. Foto: arquivo familiar.
A iluminação pública, pelo menos naquele trecho da memória, já estava apagada, e a cidade ficara entregue aos tropeços e incertezas de uma estrelada, bilaquiana noite sertaneja. De vez em quando, passava o vulto de uma vaca ou de um jegue, resfolegando, estalando as juntas.


De repente, no súbito vazio de uma pausa na conversa, quando a presença da noite ficou mais palpável, Carmona olhou para cima e fez uma declaração inesperada:
– Noites como esta me fazem lembrar o tempo em que eu transportava gado de balsa pelo Parnaíba.


Qualquer um que erguesse os olhos veria, pálido de espanto, a Via Láctea cintilando como um pálio aberto por cima dos morros e quintais. De uma roça próxima vinha o sussurro musical de palmas de buriti. Cães ladravam nos quintais, portas batiam, uma criança chorava na noite.

Os outros ouvintes calaram; deviam estar habituados às reminiscências fluviais do Carmona. Eu, sempre alheio aos assuntos, sempre marginal nas rodas de convívio, fui o único a manifestar surpresa.
– Você descia o rio com balsa de boi?


Estimulado por minha curiosidade, Carmona contou que numa dessas antigas viagens tinha levado uma boiada de meu pai Clóvis para os mercados do Piauí.
– Quando anoitecia, antes de fazer uma parada, eu me deitava na balsa e ficava olhando o céu. Pode parecer maluquice, mas eu imaginava que em vez de descer o Parnaíba eu estava lá em cima, deslizando na balsa pelo Carreirão de Santiago.

A metamorfose foi instantânea. O Carmona, que não era nada, passou a ser tudo _ indivíduo, herói, ídolo. Ouvi o resto da história já com humildade, com reverência. Eu, que me julgava com direito ao honesto título de barranqueiro do Parnaíba, mesmo sem jamais ter pescado em suas águas barrentas, é que de súbito já não era ninguém. Barranqueiro do Parnaíba era aquele homem escondido na dupla sombra da noite e do chapéu, que discorria sobre o Parnaíba com eloquência virgiliana, que conhecia o grande rio como quem conhece um parente próximo, um irmão, o próprio pai: alguém que lutara com ele, que o medira quase da nascente à foz, palmo a palmo, com sua paciência, com sua coragem solitária, com seu lirismo sossegado e mudo.

Ainda fiquei uma ou duas semanas de férias na casa paterna, andando pela beira do Parnaíba, contando os dias, contemplando as noites e vendo passar, lá no alto, luminoso e eterno, inesgotavelmente brilhante, o outro rio por onde navegara o Carmona em sua balsa cósmica.


Berilo Vargas é um alto-parnaibano do mundo, um dos grandes tradutores brasileiros, além de diplomata, professor universitário, jornalista, cronista, contista e escritor radicado no Rio de Janeiro, e sua homenagem ao meu tio Manoel Carmona de Araújo Rocha, que nos foi repassada pelo escritor Lindolpho do Amaral Almeida, outro grande nome das letras nascido em Alto Parnaíba, é uma das mais belas crônicas que já li, retratando um período de Ouro de nossa antiga e sempre viva Vitória do Alto Parnaíba.

sábado, 24 de março de 2012

TRE DIVULGA LISTA DOS CANDIDATOS COM CONTAS SUJAS DE CAMPANHA

A relação que o Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão - TRE - divulgou ontem diz respeito aos candidatos que tiveram suas contas de campanha rejeitadas pela Justiça Eleitoral ou que não cumpriram com determinações e requisitos na apresentação dessas contas quando candidatos.

Nessa lista, nenhum ex-candidato a prefeito, vice-prefeito ou vereador de Alto Parnaíba, no extremo sul maranhense, está incluído.

Mas, apenas como esclarecimento e para que a pré-campanha eleitoral não se contamine pelo engodo e por informações inverídicas e distorcidas ao eleitorado e à sociedade alto-parnaibana, essa lista de candidatos fichas sujas se reporta às contas da última campanha eleitoral que foram desaprovadas, e não das contas dos gestores e ordenadores de despesas, ou seja, prefeitos, presidentes da Câmara Municipal, secretários de fundos e outros ordenadores de despesas, que tiveram essas contas de governo e da administração rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Maranhão ou pelo Tribunal de Contas da União.

Essa lista, sim, a ser repassada pelo TCE ao TRE até o próximo dia 05 de junho é quem definirá, em orientação à Justiça Eleitoral que dará o veredicto final com base na legislação e mais precisamente na lei complementar nº 135/2010, a chamada Lei da Ficha Limpa, quem poderá ou não ser candidato à Prefeitura e à Câmara de Vereadores em 07 de outubro de 2012.

Nas contas rejeitadas pelo TCE e TCU, o pagamento de multas não evita a inelegibilidade do pretenso candidato.

A lista que abrangerá, com certeza, vários políticos de Alto Parnaíba que exerceram cargos e funções na administração pública municipal como gestores e ordenadores de despesas, ainda não foi divulgada. Como vaticinava o estadista Ulysses Guimarães "cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém". E fica o alerta: foguetes antecipados podem se virar contra o apressado ou mal intencionado.

quarta-feira, 21 de março de 2012

PREFEITURA DE ALTO PARNAÍBA CLAMA PELA MARIA DA PENHA

Não é ironia e nem deboche. É a pura verdade. Popularmente sempre se chamou a Prefeitura de viúva. Ou seja, segundo o povo, a Prefeitura é uma viúva rica e maltratada, espoliada por muitos espertalhões que a comandaram país afora no decorrer dos anos. Tivemos bons e excelentes prefeitos em todo o Brasil, inclusive em Alto Parnaíba, no extremo sul do Maranhão.

Entretanto, nos últimos anos e derradeiros mandatos, a Prefeitura de minha terra natal, que já foi bem tratada, respeitada em seu patrimônio, amada por bons prefeitos que a comandaram e que não a endividaram, passou a ser tratada com desdém, como fonte de enriquecimento fácil e imediato de alguns gestores e aproveitadores. Agora, desviar o dinheiro da pobre viúva tornou-se comum; mamar em suas tetas amolecidas e caídas pelo tempo chega a ser desumano, sugando-lhes até o sangue.


Literalmente a água entrando na Prefeitura de Alto Parnaíba. Foto: Rafael Brito

Multas e condenações impostas de milhões de reais, cheques sem fundos, precatórios, empreiteiros e fornecedores que não receberam por seu trabalho. Quem será acionado, a Prefeitura ou os gestores? Na viúva cansada e empobrecida, o ônus maior dos pagamentos. Como pagá-los no futuro? Só sei que a conta será paga pelo povo, pelo contribuinte, pela gente desrespeitada e tratada como ingênua por malfeitores que infelicitam a vida da comunidade, esvaziam os cofres e o patrimônio da viúva indefesa, acreditam na impunidade eterna, tripudiam sobre a inteligência alheia, assalariam asseclas não menos sanguessugas, gozam o gozo passageiro dos canalhas, blasfemam até contra Deus quando participam do maior pecado do homem, a corrupção, causadora das grandes desgraças da humanidade, como a fome, a miséria, o crime, a desigualdade, a deseducação, a morte sem prévio tratamento.

Como a viúva é mulher e existe uma moderna e necessária lei criada especificamente para proteger as mulheres das agressões físicas e morais de seus maridos e companheiros, e ante a decisão do Supremo Tribunal Federal de que essa moralizadora lei independe de prévia representação da vítima para que o agressor seja processado e punido, que tal as autoridades responsáveis utilizarem desse mecanismo e aplicarem a Lei Maria da Penha nos agressores da Prefeitura de Alto Parnaíba? Teríamos que aumentar as celas na cadeia.

Como o voto é, em tese, soberano, talvez apenas as urnas silenciosas e a consciência livre de promessa e da paga com o dinheiro da mesma viúva para libertarem esta e seus filhos, os moradores de Alto Parnaíba, em 07 de outubro de 2012. É ver para crer e eu ainda creio.

terça-feira, 20 de março de 2012

50 ANOS DA MORTE DE ELIAS AMARAL

Na madrugada de 18 de março de 1962, em sua casa na cidade de Britânia, em Goiás, enquanto dormia ao lado da esposa, o coração de Elias do Amaral Brito o surpreendeu, encerrando a sua passagem material terrena, aos 60 anos de idade.
Ana Alayde e Elias do Amaral Brito

Vitoriense da chamada Era de Ouro, como bem define o tradutor, escritor, diploma e jornalista Berilo Vargas, Elias do Amaral Brito, ou Elias Amaral como era simplesmente conhecido, nasceu na ainda Victória do Alto Parmaíba, a primeira cidade maranhense banhada pelo rio Parnaíba, no extremo sul do estado, em 1902, segundo filho do casal Luiz Antonio LusAmaral Britto, major da Guarda Nacional e filho do primeiro casamento do principal chefe político de nossa terra em todos os tempos, o ex-vice-governador do Maranhão e primeiro prefeito de Alto Parnaíba, coronel Antonio Luiz do Amaral Britto, com Ana Cândida Lustosa do Amaral Britto, e de Rita Araújo Rocha do Amaral Britto (Ritinha), natural de Corrente, no sul do Piauí, filha de Elias da Cunha Rocha e de Maria Izidora de Araújo Rocha e irmã de meu avô paterno, Antonio de Araújo Rocha (Antunim). Seus outros irmão eram: Ana Cândida do Amaral Brito (Sia Cândida), mulher de Luiz de Brito Araújo, Antonia Luiza do Amaral Brito, casada com Aderson Lustosa do Amaral Brito, Luiz Antonio do Amaral - o poeta Luiz Amaral -, esposo de Zenaide do Amaral Brito e Erzon do Amaral Brito, casado com Lourdes Coelho do Amaral, além de Amaral de Lourdes Amaral, filha do segundo matrimônio de seu pai, esposa de Bráulio Leitão - todos falecidos.
Major Luiz Antonio Lustosa do Amaral Britto, pai de Elias Amaral. Foto: arquivo da família.

Com a morte da mãe, em 1920, ainda jovem, e logo depois do pai, meu avô materno Elias Amaral tornou-se tutor dos irmãos mais jovens, educando-os e preservando o patrimônio de todos, cuja honestidade e firmeza de caráter foram características que o marcaram durante a vida, conforme testemunho daqueles que com ele conviveram e com quem converso constantemente. Em 1921 casou-se com a bela Ana Alayde Lopes, uma jovem mulher com 16 anos, flha dos piauienses João Pereira Lopes, que já havia sido prefeito de Victória do Alto Parnaíba, comerciante próspero, e de Joana Torquato Lopes (Joaninha), que, mesmo cega dos dois olhos, conduzia os destinos da família como um autêntica dama-de-ferro.

Meus avós Ana Alayde e Elias tiveram dezesseis filhos, todos criados até a fase adulta. Vejamos pela ordem cronológica: Rita Edith Lopes do Amaral (Ritinha), casada com Esdras do Amaral Brito (Esdrinhas), falecidos; Maria Magnólia Lopes do Amaral (Magui), casada com Wilson Lustosa do Amaral Brito, também mortos; Salatiel Lopes do Amaral, já falecido, esposo de Ilnete Barbosa do Amaral, residente em Januária/MG; Luiz Antonio Lopes do Amaral, casado com Valderez Leitão do Amaral, ambos desencarnados; minha mãe Maria Dacy do Amaral Rocha, com 83 anos de idade e ainda residente em Alto Parnaíba, mulher de Antonio Rocha Filho, o Rochinha, já falecido; Maria Stela do Amaral Paiva e Silva, residente em Teresina, viúva de Astrolábio Paiva e Silva; Maria do Socorro do Amaral Nogueira, atualmente residente em Goiânia após anos morando em Corrente/PI, terra natal de seu falecido marido Numa Lustosa Nogueira; Waldemar Lopes do Amaral Brito, morto, esposo de Nilza Naves do Amaral, residente em Porangatu/GO; Maria Zulmar do Amaral Soares, casada com Zoroastro Soares, residentes em Alto Parnaíba; Maria José do Amaral Camapum (Zezé), mulher de José Alencar Camapum (Zezito), moradores também em Porangatu; Nilson do Amaral Brito, falecido, casado com Goiacemar Castro do Amaral, residente em Gurupi/TO; Maria Luiza Margarida do Amaral Avelar, esposa de João Roberto Dias Avelar, residentes em Teresina; Paulo de Tarso Lopes do Amaral, morto, casado com Neuza Ribeiro do Amaral; José Elisson Lopes do Amaral, falecido, que deixou viúva Maria da Glória Melo Amaral; Alair Maria do Amaral Lopes, minha madrinha de batismo, já morta, casada com Luiz Gonzaga da Cruz Lopes, morador de Alto Parnaíba; e Ana Alaíde Amaral de Carvalho Nunes (Alaidinha), viúva de Benedito de Carvalho Nunes, residente em Teresina .

Elias Amaral, mesmo filho e descendente de políticos e dos fundadores de Alto Parnaíba e do sul piauiense e extremo sul maranhense, não tinha aptidão para a política, inclusive recusando-se, em certo momento da vida política municipal, uma candidatura de consenso à Prefeitura. Era um criador de gado nato e exímio comerciante. Apaixonado por sua Fazenda Salina, sofreu muito para vendê-la quando ficou na encruzilhada de permanecer na terra natal, sem perspectivas para os jovens de então, ou acompanhar a maioria da população alto-parnaibana para a recém fundada Gurupi e outras cidades prósperas do norte de Goiás, hoje Tocantins, e Brasília que se iniciava com todo o apogeu e esperanças depositadas por milhares de brasileiros no centro-oeste e planalto central brasileiros, mas preferiu o que significava um verdadeiro sacrífico - talvez a causa do infarto agudo do miocárdio sofrido pouco tempo depois -, preferindo, finalmente, se desfazer de todo o patrimônio construído na velha Victória com imenso sacrífico e trabalho árduo de quem conduzia boiadas em balsas de talo de buriti pelo rio Parnaíba até Floriano ou Teresina ou a pé até o Rio Grande do Norte, trazendo, no retorno, produtos que eram comercializados em sua loja na cidade, e se mudar com a mulher, os filhos mais jovens e outros já casados em busca do prometido eldorado dos anos JK. Com a morte do marido, minha avó Ana Alayde Lopes do Amaral (foto acima) passou a ter uma saúde fragilizada, culminando com a doença de Alzheimer, na época pouco conhecida, falecendo aos 82 anos de idade na casa de sua filha mais velha, Ritinha, em Porangatu. Ele com 19 anos e ela com 16 anos de idade iniciaram uma via juntos, geraram 16 filhos, criaram todos e esse amor foi permanente além túmulo. Hoje são dezenas de netos, alguns desencarnados, de bisnetos, trinetos e tataranetos, espalhados pelo Brasil. Cumpriram sua missão. Foto acima: 7 das 10 filhas de Elias Amaral: Alaidinha, Alair, Maria Luiza, Zezé, Stela, Dacy e Magui. Casamento de Suzuna, filha de Stela e Astrolábio, e de Ézio, filho de Zezé e Zezito Camapum, em Teresina. Arquivo da família.

Imagens: pela ordem decrescente: Minha avó Alayde em visita ao túmulo do marido em Britânia; Waldemar e Nilza Amaral; Salatiel e Ilnete Amaral com a filha Vilma; Valderez, Zulmar, Alayde, Maria Luiza, Maria da Glória e Aladidinha, em Gurupi; Casamento de Maria Stela e Astrolábio Paiva e Silva em Teresina; Salatiel Lopes do Amaral; Elias Amaral com um neto; Astrolábio, Stela e Regina; Alayde, Elias e netos em Goiás; Luiz Antonio Lopes do Amaral; Maria Luiza Margarida do Amaral Avelar; Nilson do Amaral Brito; Waldemar Lopes do Amaral Brito; Paulo de Tarso Lopes do Amaral, em sua formatura em odontologia; Stela e Dacy (minha mãe); Maria Magnólia Lopes do Amaral (Magui); Maria Luiza; Alair Maria do Amaral Lopes, ainda estudante em Goiás. Fotos do arquivo de minha família.


















































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































Coloque seu e-mail abaixo para receber um resumo das novas notícias