sexta-feira, 10 de junho de 2011

EFÊMEROS

Recebi do meu amigo Edson Vidigal, ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça, ex-deputado federal pelo Maranhão, jornalista, professor de Direito e escritor, uma crônica deliciosa, que narra, com a exatidão de quem conviveu e convive com o Poder, o quanto o poder e seus ocupantes são efêmeros. Deliciem com o texto.

"Os que manhã cedo quando não está chovendo caminham em média 1 hora na passarela da península do lago sul perecebendo a ausência do Palocci nas últimas semanas logo desconfiaram que dificilmente voltariam lhe dar bom dia.

A passarela da península me faz lembrar Brasiléia, um município do Acre, fronteiriço com Pando, na Bolívia, no auge das ditaduras, quando andei por lá disfarçado de pesquisador belingue, a serviço do Jornal do Brasil.

A Bolívia era muito instável e então alguém me disse que os poderosos em Pando variavam muito. Estar em cima equivalia à certeza de que de repente estaria em baixo.

Nem sempre foi assim.

Quando décadas depois retornei a Pando, pegando carona do avião do Lula, para uma reunião dos Presidentes de Cortes Judiciais da região, Brasil, Bolívia e Peru, o Presidente da Suprema Corte boliviana era o Eduardo Rodrigues, meu velho parceiro de outras assentadas.

No bolo de uma crise o Mesa, Presidente da República, que havia assumido como Vice do Louzada, que havia renunciado, renunciou também e quem assumiu? O Eduardo. Reorganizou a República, não quis ser candidato e entregou depois a Presidência ao Evo, o índio eleito.

Na península do lago sul, ao londo de décadas, nós outros, os caminhantes, cruzamos com os poderes da República em pessoas. Algumas vezes chega a ser engraçado ver aquelas figuras longe das liturgias vestidas de atletas no amanhacer.

Eles chegam, passam, se vão. E nós, Pedro Rogério, Paulo Castelo Branco, Eurídice e eu, continuamos no pedaço. Todos somos efêmeros, é claro. Mas eles são muito mais que nós".

Para aqueles que acham, nos mais distantes rincões do Brasil e não apenas na sede do Poder, que o poder não passa e que eles são o próprio poder, a lição desse grande jurista e homem de Estado.

Um comentário:

  1. Dr. Décio

    Eis o e-mail: fheldersc@yahoo.com.br

    Amplexo fraterno,

    Francisco Helder

    ResponderExcluir

Coloque seu e-mail abaixo para receber um resumo das novas notícias