sábado, 28 de julho de 2012

AGIOTAGEM E DINHEIRO PÚBLICO

Com o assassinato do jornalista e blogueiro Décio Sá, ocorrida em 23 de abril último em São Luís, a prisão do assassino, um frio e cruel pistoleiro, e de prováveis mandantes do crime de encomenda, as investigações policiais levaram a outro crime que está assutando o Maranhão de norte e sul. A agiotagem. Quadrilhas de agiotas agem em vários municípios do estado, emprestam dinheiro a juros exorbitantes, inclusive para prefeitos, e caso o pagamento não é feito a punição vai desde o espancamento físico ou sequestro de membros das famílias dos devedores até o assassinato do devedor, segundo matérias da revista Veja, da última semana, e do jornal O Imparcial, versão eletrônica de hoje. A morte de Décio Sá, que teria noticiado a agiotagem no Maranhão, estaria relacionada com essa triste realidade. O mais grave: na grande maioria, os agiotas recebem a sua elevada paga do contribuinte brasileiro, cujos impostos recolhidos estão servindo para pagar as contas de gestores municipais com a agiotagem em quase todo o estado, segundo a imprensa de São Luís.

O pistoleiro paraense que assassinou o blogueiro maranhense tem 24 anos,  matou a primeira pessoa aos 14 anos de idade e mais 48 depois, disse à Veja que apenas exerce a profissão como qualquer outro profissional comum, recebe a sua paga ou honorários pelo trabalho realizado, é bem recompensado, possui considerável patrimônio auferido com a morte traiçoeira do próximo, não tem remorsos e chega à rezar pela alma de suas vítimas. Promotores de São Paulo, reunidos ontem, defendem, na discussão sobre o novo Código Penal que as penas para os crimes contra a vida, como homicídio e latrocínio, sejam aumentadas. Concordo e vou além: no homicídio praticado por pistoleiro a pena mínima seria de 30 anos e a máxima 50. É o mínimo.

A delegada geral de polícia civil do Maranhão, Cristina Menezes, baixou uma portaria criando nova comissão de delegados para apurar a prática de agiotagem no estado. Os nomes citados foram dos delegados Maymone Barros, Roberto Larrat, Roberto Wagner e Breno Araújo. De acordo com Cristina Menezes, durante o trabalho investigativo do homicídio de Décio Sá ficou claro que o motivo desse crime foi a prática de agiotagem no estado, inclusive pelos mandantes do assassinato, que estão presos.

A delegada geral ainda frisou que alguns gestores públicos talvez tenham utilizado dinheiro público, sejam de cunho municipal, estadual e federal, para o pagamento de agiotas.

Até o momento, a lista com nomes de gestores é enorme, mas "todos serão investigados de forma criteriosa e minuciosa pela comissão de delegados", segundo a delegada, acrescentando que, no momento, os nomes não serão revelados. O inquérito do caso Décio Sá será encaminhado à Justiça na primeira semana de agosto. Talvez agosto seja o mês do gosto, ou seja, com o julgamento histórico do Mensalão pelo Supremo Tribunal Federal, é provável que o Brasil comece a repelir a impunidade, cuja certeza da impunidade é a causadora de tantos crimes que assustam e violentam a sociedade a cada minuto. O Brasil ainda convive com a pistolagem, que precisa ser combatida pelo Estado com extremo rigor, com inteligência policial, como crime hediondo intolerável na sociedade moderna.

Subsídio: O Imparcial, versão eletrônica de 28/07/2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Coloque seu e-mail abaixo para receber um resumo das novas notícias