quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

FALTOU ALGUÉM EM MONTE ALEGRE

No dia último dia 21 de janeiro, a pequena cidade de Monte Alegre do Piauí, no sul piauiense, próxima a Gilbués, foi palco de uma grande concentração de políticos e técnicos dos governos estadual e federal, a partir do governador Wilson Martins, do senador Wellington Dias, dos deputados federais Marcelo Castro e Paes Landim, dentre outros. Era a assinatura da ordem de serviços da BR-235 entre Gilbués e Santa Filomena, uma das mais importantes estradas da região, que beneficiará diretamente o município de Alto Parnaíba, da margem do Parnaiba maranhense.

O prefeito de Santa Filomena, Esdras Avelino Filho, estava lá, assim como vereadores e outras lideranças do município sul piauiense. Era um momento ímpar para a região do Alto Parnaíba do Maranhão e do Piauí. Era a oportunidade que faltava ao prefeito de Alto Parnaíba para reivindicar a construção da ponte sobre o rio Parnaíba entre as duas cidades, bem como para defender, mesmo não sendo político do Piauí, a continuação da BR-235 no trecho entre a mais meridicional cidade maranhense e Lizarda, no Estado do Tocantins.

O Brasil é uma federação unida, sem disputas de qualquer natureza. Apenas o Parnaíba divide geograficamente o Piauí e Maranhão, Alto Parnaíba e Santa Filomena. Os dois municípios possuem a mesma origem em sua formação, costumes, cultura e história que se confundem, dependência recíproca, aptidão comum para a agropecuária. Os problemas são semelhantes, especialmente no que tange a estradas. Em 1967, o então prefeito de Alto Parnaíba, Antonio Rocha Filho, foi a Manaus e participou de um encontro pioneiros de prefeitos brasileiros. Além de dizer e defender além-divisas que nosso município existia de fato, aquela viagem abriu as portas para inúmeras obras e benefícios que chegaram a Alto Parnaíba e até hoje desafiam os tempos, como o cais no Parnaíba, o antigo prédio do Cecap, o aeroporto municipal.

Não importa que Monte Alegre não seja do Maranhão ou que Wilson Martins seja governador do Piauí. O prefeito Ernani Soares deveria ter ido a Monte Alegre do Piauí, conversado com as autoridades, se apresentado, mesmo que alguns o considerassem intruso. A importância econômica de Alto Parnaíba, centrada na grande produção de grãos, é um passaporte invejável ao seu governante. Ali, representantes da área de transportes do governo federal, com quem o prefeito poderia conversar e apresentar projetos pessoalmente. Na década de 1930, houve uma ameaça de invasão da então Vitória do Alto Parnaíba por um dos grupos em confronto no então norte de Goiás. O prefeito Lourival Lopes, inteligente e sagaz como poucos enviou dois telegramas pedindo reforço policial. Do governo do Piauí a resposta com o envio de militares. Do Palácio dos Leões, em São Luís, até hoje, o telegrama dorme em algum arquivo morto desde então.

Se é Alto Parnaíba quem está precisando, não custa nada ao seu prefeito ir atrás. Infelizmente, a omissão é tão prejudicial quanto uma ação ruim. Mesmo se não conseguisse nada, nenhum prejuízo traria. É uma pena.

Um comentário:

  1. Caro Décio,

    A falta de noção e visão econômica, política e administrativa dos últimos prefeitos que ocupam a prfeitura de Alto Parnaíba, preocupados exclusivamente com o processo eleitoral para benefício próprio, só prejudica o desenvolvimento e o progresso desta cidade, que só não acaba porque é boa pela própria natureza e sobrevive como um diamante perdido no coração do Brasil, longe e isolado no extremo sul do Maranhão que só a conhece e se relaciona por determinações políticas e limites geográficos. O estado do Maranhão representa um padrasto distante do seu município de Alto Parnaíba, cujas tradições históricas e comerciais sempre foram ligadas ao Piauí,Goiás e Tocantins e voltadas para o sul do País. Agora enfim possamos se romper essa tão necessária estrada interligando essa região.

    Abraço,
    João da Cruz Franco Lopes

    ResponderExcluir

Coloque seu e-mail abaixo para receber um resumo das novas notícias