domingo, 13 de novembro de 2011

MINHA FAMÍLIA PERDEU ERNESTINA

Com apenas oito anos de idade, quando do meu nascimento em dezembro de 1965, Maria Ernestina, órfã de pai e com a mãe desaparecida, foi entregue pela avó, dona Rosalina, para ser criada na casa de meus pais na cidade sul-maranhense de Alto Parnaíba, primeiramente como minha babá.

Até se casar em 1989, Ernestina ou Tinã, como muitos a tratavam, viveu conosco na mesma casa, em Alto Parnaíba e São Luís, onde permaneceu após o nosso retorno à terra natal e veio a falecer ontem, 12.11, no final da tarde, após longo período de enfermidade.

Viúva de Valmir Silva e sem filhos, Maria Ernestina Brito dos Santos, alto-parnaibana nascida em 06 de janeiro de 1957, professora da rede pública de ensino do Estado do Maranhão, foi criada e educada por meus pais como filha, querida e estimada por todos nós, e a reciprocidade era completa, cuja amizade incondicional é a principal lembrança a marcar nossa família.

O corpo de Ernestina está sendo velado em sua residência na capital maranhense, onde seu corpo será sepultado. Que o Criador, que é infinitamente misericordioso, a abençoe. O meu adeus e a minha eterna saudade!

Um comentário:

  1. Ernestina... Lembro muito.
    Saudade eterna.
    Que Deus a tenha.

    ResponderExcluir

Coloque seu e-mail abaixo para receber um resumo das novas notícias