sábado, 19 de novembro de 2011

A MORTE DE TIRZAH ROCHA

Às 18:30 horas de hoje, 19.11, faleceu em sua residência Tirzah de Araújo Rocha, ou simplesmente Tizahinha como nós, os seus sobrinhos e amigos, a chamávamos.

Há dois anos convalescendo de um AVC, porém plenamente lúcida e após deixar o hospital, cercada pela única irmã viva, Júnia de Tarso Rocha e Aragão, por sobrinhos e vizinhos, minha tia Tirzah morreu serenamente, ouvindo, ao seu pedido, os salmos 91 e 23, lidos pela dedicada sobrinha Maria do Socorro Formiga Rocha.

Nascida em 20 de outubro de 1928, na mesma casa onde desencarnou, à margem do rio Parnaíba na então Victória do Alto Parnaíba, hoje por concepção político-administrativa apenas Alto Parnaíba, no extremo sul do Maranhão, Tirzah era o oitavo filho vivo - sem contarmos os que morreram crianças - de meus avós paternos, Antonio de Araújo Rocha e Ifigênia do Nazareth Rocha. Os outros irmãos eram: Elias, José Benedito, Izidora, Ritinha, Rochinha (meu pai), Corintho, Ben-Hur, Carmona e ainda viva Júnia, a caçula.

Minha tia Tizahinha não se casou e nem teve filhos biológicos, criando dois sobrinhos como filhos, os irmãos Saulo Antonio, falecido neste ano, e Elias, o Lila, deficiente mental, a quem dedicou os melhores anos de sua vida.

Sua irmã Júnia diz que ela era a advogada natural da família. É verdade. De temperamento forte, firme, direta, objetiva, inteligente, Tirzah acompanhou a vida pessoal, profissional e política do pai, irmãos e sobrinhos com a altivez e a coragem de enfrentar os momentos mais difíceis e as adversidades, pois nos dias festivos ela se esquivava recolhendo-se na solidão da velha casa secular onde seus pais iniciaram a vida em comum e onde todos os seus irmãos vieram ao mundo, onde apenas o som quase impercetível do Velho Monge descendo em busca do mar era a sua companhia.



Tirzah com a sobrinha-neta Emylenne de Mesquita Rocha, filha de Saulo Antonio.



Conselheira e amiga sem ser subserviente, sabia aplaudir assim como cobrar dos parentes, especialmente dos sobrinhos, sempre visando o bem, o melhor, o caminho de paz, de trabalho honrado, de respeito ao próximo, de decência e de amor a Deus.

Membro ativa da Igreja Batista desde criança, Tizahinha não tinha vaidades, não acumulou riquezas, não exigia luxo, ao contrário, viveu com a humildade de Jó e a fé de Paulo ao enfrentar doenças, mortes dos ente queridos, amor à família, carinho e dedicação aos deserdados da sorte.

Ela fará falta. A sua velha casa era o local do encontro da família numerosa, que, em torno dela, a convivência era mais fraterna. alegre e permanente. Esse o legado de Tirzah de Araújo Rocha, a tia interiorana, bondosa, justa, coerente, amiga. O meu adeus e o meu carinho eterno.

Foto: arquivo de Maria do Socorro Rocha.

4 comentários:

  1. Nossos sinceros sentimentos pela passagem da nossa querida Tizahinha. Saudades.
    Tânia Rocha, filhas e genros.

    ResponderExcluir
  2. "Saudade é a memória do coração "
    ( Coelho Neto )
    Sentirei sua falta , tia querida!

    ResponderExcluir
  3. Caro Décio... Em nome de meu pai, Pr. Adolfo Azevedo, que pastoreou a Igreja Batista aí em Alto Parnaíba durante três anos (1983/1986), envio condolências à família. Tivemos a grata satisfação de conhecê-la e desfrutar do seu convívio durante esse tempo, bem como de grande parte da família Rocha. Abraço.
    Rev. Eliseu Azevedo - Teresina-PI.

    ResponderExcluir
  4. Tirzainha deixará muitas saudades nos corações de todos nós que tivemos a chance de conviver com ela. Que Deus ilumine o teu esprito.

    ResponderExcluir

Coloque seu e-mail abaixo para receber um resumo das novas notícias